Trilha do Bonete - Ilha Bela

Procurando um lugar paradisíaco?

Dados Gerais

Onde Fica: No extremo sul da IlhaBela, litoral norte de São Paulo
Atividades: Caminhada

Nível: Médio

Vídeo


Caderno do Viagem
08/10/2011

Depois de muito tempo querendo conhecer a praia do Bonete em Ilhabela, enfim conseguimos juntar um final de semana de sol com todos de folga. Partimos eu, a Adriana e o João para Ilhabela bem cedo, antes das 6h da manhã. Aqui vai uma primeira dica: para quem vai descer pela Tamoios, assim que passar Paraibuna, tem um lugarzinho a direita, com uma placa de café da manhã. Resolvemos parar nele e gostamos muito! Um café da manhã caipira, a vontade, muito bem servido, por R$5 por pessoa.

Todos bem alimentados, seguimos viagem e começamos a descida da serra. Passa São Sebastião, balsa, alguns quilômetros sentido sul da ilha, pequeno trecho de estrada de terra e chegamos ao estacionamento, na Ponta da Sepituba. Outra dica: esse último estacionamento fica bem na entrada da trilha mesmo, no final da estrada. Existem alguns outros antes, mas se ficar neles é preciso andar mais um pouquinho antes da trilha.


Toda a trilha até a praia do Bonete é formada por uma antiga estrada, onde nos anos 80 foi construída uma ligação até o Bonete. De acordo com o que conversamos com um morador antigo de lá, essa estrada até chegou a funcionar, mas como não teve nenhuma manutenção e não terminaram a pavimentação, a floresta retomou o que era seu. Em muitos trechos as pedras e a vegetação já tomaram todo o caminho. Ainda assim não existe nenhum risco de se perder. O maior problema é agüentar as subidas e descidas, pois apesar da trilha não ser tão extensa e não haver grandes obstáculos, o percurso é cansativo.



Ainda bem que sempre existem as recompensas. Após apenas 1h de trilha há um atalho para a Fazenda Lage, onde se tem uma belíssima vista. Lá encontramos o Luc e a Flor, dois cãezinhos que viraram nossos amigos e nos acompanharam durante toda a viagem, inclusive na volta de barco! Mais 300m adiante se encontra a cachoeira da Lage. Além de alguns poços de água cristalina e de uma queda d'água maravilhosa, ainda podemos nos divertir num tobogã natural.

Depois de mais 1h de caminhada chegamos a um riacho, onde é preciso tirar os tênis e levantar as mochilas para passar. Nesse riacho parece que fica a cachoeira do Aerado. Demos uma procurada mas não achamos nada, apenas alguns poços e pequenas quedas. Não sei se isso já era a cachoeira, mas não me pareceu. De qualquer forma o lugar também é muito bonito e propício para um lanche. É bom curtir bastante esse paraíso, porque depois disso o caminho fica mais puxado, com mais descidas e subidas.

Pouco mais de uma hora depois chegamos no mirante onde é possível ter mais uma linda visão, agora já da praia do Bonete. Depois disso é apenas mais uma descida até a praia, demora um pouco, mas depois que se tem a visão do paraíso final, tudo parece ficar mais fácil. Assim, antes do entardecer ainda foi possível chegar e tomar um banho de mar, para dar aquela limpada na alma.




Passamos a noite no camping do Eugênio, que apesar de bem simples e pequeno, tem uma estrutura muito legal, com banho quente, lugar pra fazer comida e moradores muito hospitaleiros (R$15 por pessoa).

No dia seguinte, eu e o João (sempre acompanhadas dos nossos fiéis escudeiros, Luc e Flor) acordamos por volta das 5h da manhã para subir no morro do Carvão e pegar o sol nascendo. Depois seguimos rumo à praia das Enchovas, outro lugar muito diferente, uma praia coberta de pedras, onde, pelo que percebemos, existe apenas um morador. Voltamos para o Bonete. Após isso foi apenas curtir o calor do dia e a água do mar.

 Nós voltaríamos de canoa, combinamos o valor de R$25 por pessoa com o Ademir, um dos vários moradores que fazem a travessia. Chega a hora, todo mundo apertadinho (inclusive a Flor e o Luc) dentro da canoa, e nada do motor ligar. Mexe daqui, fuça dali, e nada. A tarde já estava na metade e nada de conseguirmos voltar. Por sorte apareceu outro cara com uma lancha e fez pra gente pelo valor de R$30 por pessoa, que era o máximo que tínhamos. Ainda, antes de partir, todo mundo tirando as mochilas das costas e ajudando a levar a canoa "pifada" para a areia... Antes pretendíamos voltar na caminhada mesmo, mas acho que voltar de barco vale a pena. Pelo caminho passamos por lindas paisagens até o estacionamento Nova Iorque. Infelizmente esse não era nosso estacionamento. Assim tivemos ainda que caminhar mais uma meia hora até chegarmos ao nosso carro. O João ainda caminhou até a Fazenda Lage para entregar o Luc e a Flor aos seus donos. Daí pra frente foi só partir com lindas lembranças desse lugar incrível.




Botar reparo

- Na fauna abundante, principalmente de aves, répteis e insetos, durante toda a trilha. Deve haver muito respeito, por parte dos ecoturistas, para com esses seres vivos, de forma a não incomodá-los ou molestá-los.

- Nas belas canoas dos pescadores do vilarejo, e os nomes bem particulares que elas recebem de seus donos.

- Nos fortes ventos que assolam a praia e o vilarejo, tornando o ambiente ainda mais onírico e vivo.

- Nos pratos típicos preparados pelos habitantes do lugar, que não saem caros e dão mais sabor ao passeio.

Mapa e Clima



0 comentários:

Postar um comentário